Frase de efeito: Ponte dos espiões.

Todo mundo já sabe que esse filme está concorrendo ao Oscar, com seis indicações (Melhor filme; melhor ator coadjuvante; melhor trilha sonora; melhor roteiro original; melhor mixagem de som;e, melhor design de produção). Ponte dos Espiões tem seu tempo na Guerra Fria, onde um advogado americano, James Donovan (Tom Hanks), é solicitado para defender um espião soviético, Rudolf Abel (Mark Rylance).

Após isso, ele é envolvido pelo governo americano em uma negociação não oficial, a fim de trocar Abel por um soldado americano capturado pelos inimigos soviéticos. O esplendor do filme se dá pelo minimalismo, por ser baseado em fatos reais, pela fotografia muito bem trabalhada, e pelo desenrolar de uma trama que começa entediante mas se torna fascinante.

E, claro, a frase que chama atenção, na verdade, é um questionamento do Donovan ao Abel, que se traduz assim:


Donovan: Você nunca se preocupa?
Abel: Isso ajudaria?

Na verdade...se preocupar, se desesperar, nos ajuda a resolver algum problema?
Acho que essa é uma "frase" marcante porque ela é reflexiva simplesmente por ser algo tão verdadeiro, que muitas vezes nos foge dos sentidos.
Nos perdemos pelo desespero e, ainda que seja difícil, precisamos parar e pensar: isto está me ajudando?

Uma ótima terça!
Assistam ao filme, não vão se arrepender!
:**



9 comentários:

  1. Não conheço o filme, mas me interessei!

    Sobre a frase, lembrei imediatamente de um casal, amigo dos meus pais, que são super-mega-tranqüilos. Nunca se preocupam, mesmo com os grandes problemas que possam aparecer. Uma vez o marido disse que "90% dos problemas se resolvem sozinhos". E sabe que ele não está errado? Porque nosso estresse, o tempo que a gente passa se preocupando, não muda o final da história em nada. Mas faz mal pra nós, com certeza. Não sei se eles exageram na tranquilidade, mas com certeza vão ter uma vida bem mais leve que a maioria das pessoas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E bem mais saudável também, Debora! Concordo com eles. Inclusive temos que desacelerar um pouco agora, pra conseguir ter uma qualidade de vida futura!

      :**

      Excluir
  2. Preciso levar isso pra vida, a preocupação fica toda na minha cabeça e tudo acaba virando uma bola de neve!

    Uma ou Outra | Fanpage | Twitter | Youtube | Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também...estou tentando fazer disso um mantra, Jess!

      Excluir
  3. Oi, Bárbara!
    Acho que se preocupar em certas ocasiões é inevitável... A gente só precisa cuidar para que não seja em excesso e para as preocupações serem apenas relativas ao que vale a pena. Mas, de fato, ela não resolve as coisas...

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  4. Oi Bárbara,
    assisti e gostei muito do filme. o questionamento é válido,mas nem sempre a gente se lembra de fazê-lo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. O segredo é a gente manter a cabeça fria diante dos problemas, sem desespero.
    Big Beijos
    Blog LULU ON THE SKY

    ResponderExcluir
  6. No final do Filme

    Não se preocupe com que os outros pensam de você ... você sabe o que fez!

    ResponderExcluir
  7. Eu realmente gosto desse filme! Ponte dos Espiões marca o retorno de Steven Spielberg à boa forma e ao modo mais gostoso de se fazer cinema: com criatividade e amor pela arte. Como sempre, Hanks traz sutilezas em sua atuação. O personagem nos cativa, provoca empatia imediata graças a naturalidade do talento do ator para trazer Donovan à vida. Mark Rylance (do óptimo Novo Filme Dunkirk ) faz um Rudolf Abel que não se permite em momento algum sair da personagem ambígua que lhe é proposta, ocasionando uma performance magistral, à prova de qualquer aforismo sentimental que pudesse atrapalhá- lo em seu trabalho, sem deixar de lado um comportamento espirituoso e muito carismático. O trabalho de cores, em que predominam o cinza e o grafite, salienta a dubiedade do caráter geral do mundo. Ponte dos Espiões levanta uma questão muito importante: a necessidade de se fazer a coisa certa, mesmo sabendo que isso vai contra interesses políticos ou de algum grupo dominante. A história aqui contada é baseada em fatos reais, mas remete também ao caso recente do ex-administrador de sistemas da CIA que denunciou o esquema de espionagem do governo americano em 2013 e foi tratado como um traidor, mesmo que tenha tido a atitude correta. É uma crítica clara à hipocrisia norte-americana, que trabalha sempre com dois pesos e duas medidas em se tratando de assuntos como esse.

    ResponderExcluir

Pode dar sua opinião sincera aqui ^^